Havia fantasmas 
quando a vi
num instante
na janela.

Havia saudade
no giro do pneu
em toda solidão 
da beira das estradas.

Havia vez por outra
estrela cadente
e um pedido
por tudo que há de ser.

Talvez por tudo isso
em todo viajante
há uma mulher
que nem mesmo sabe.

É assim noite na estrada
como olhos de gato
em tudo que eu via
havia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s