Arquivo da categoria: Crítica

Arte nas telas de cinema (ou não?)

A conclusão de Jacques Aumont, no final do livro As teorias dos cineastas, é uma dúvida: “Resta-me fazer uma confissão: não tenho, afinal, muita certeza de que o cinema seja uma arte. Ele se preocupou demais em provar que ia … Continuar lendo

Publicado em Crítica | Marcado com | Deixe um comentário

Sob o calor dos desejos

A noite do iguana (Night of the iguana, EUA, 1964), de John Huston. A história se passa no calor do México. Ou no calor que os estrangeiros sentem ao chegar ao México. Richard Burton é Lawrence Shannon, um ex-pastor alcoólatra. … Continuar lendo

Publicado em Crítica | Marcado com , | Deixe um comentário

A greve, o líder, o filme

1979. Um adolescente acaba de sair do seu trabalho como office-boy e se encaminha para o programa favorito no início da noite: pegar uma sessão de cinema, neste dia, no Cine Jacques. Perto da portaria do cinema, é surpreendido por … Continuar lendo

Publicado em Crítica | Marcado com | Deixe um comentário

A câmera de John Ford

Peter Bogdanovich perguntou certa vez: “Sr. Ford, o senhor dirigiu o filme Três homens maus. Tem uma cena impressionante de uma corrida por terra. Como filmou?” Resposta de John Ford: “Com uma câmera.” A resposta direta vem de uma das … Continuar lendo

Publicado em Crítica | Marcado com | Deixe um comentário

Queima de livros

A trama de Fahrenheit 451 (França, 1966), de François Truffaut, se passa em um futuro indefinido. Um regime totalitário proibiu os livros, o leitor que ousa desafiar a lei é preso e reeducado. O argumento do governo é que livros … Continuar lendo

Publicado em Crítica | Marcado com , | Deixe um comentário

A dama do lago: o filme sob o olhar do detetive

Certos filmes têm um interesse experimental, funcionam como um balão de ensaio, nos quais o diretor testa novos procedimentos técnicas ou de linguagem. Em Napoleão (1927), Abel Gance ousou ao inventar o tríptico para dividir a tela e mostrar ações … Continuar lendo

Publicado em Crítica | Marcado com , | Deixe um comentário

A estrela cadente

Greta Garbo (1905/1990) abandonou o cinema em 1941, com apenas 32 anos e no auge da carreira. Ela nunca revelou os motivos da decisão, embora especulações apontem depressão devido a Segunda Guerra Mundial, ressentimento com os críticos que a elogiavam … Continuar lendo

Publicado em Crítica | Marcado com , | Deixe um comentário