Arquivo do mês: dezembro 2018

Pais e filhos

Quando li Batismo de Sangue, uma declaração do autor Frei Betto me chamou a atenção. Ele dizia, em uma matéria sobre o livro, se não me engano, que foi à residência do delegado Fleury e o encontrou tranquilamente brincando com … Continuar lendo

Publicado em Crítica | Marcado com | Deixe um comentário

O nascimento de Walter White

Em 2005, o roteirista Vince Gilligan conversava ao telefone com Thomas Schnauz, também roteirista, amigo dos tempos em que trabalharam juntos na série Arquivo X. A conversa era uma espécie de queixa sobre os rumos do cinema, sobre as dificuldades … Continuar lendo

Publicado em Crítica | Marcado com , , | Deixe um comentário

Noite de ano novo

A mãe fez o sinal da cruz assim que o carro passou pela ponte sobre o rio das Velhas. Voltou o rosto com um olhar carinhoso para os filhos no banco de trás da perua Dodge, roçou de leve a … Continuar lendo

Publicado em Crônica | Deixe um comentário

Os escritores diante da tela muda

O espectador noturno. Os escritores e o cinema, livro organizado por Jérôme Prieur, reúne textos de escritores sobre os primórdios do cinema. Não tratam dos filmes especificamente: são registros das impressões, sensações, sentimentos dentro da sala escura, diante dessa arte … Continuar lendo

Publicado em Crítica | Marcado com | Deixe um comentário

Humphrey

– Humphrey Bogart. Você se parecia com Humphrey Bogart naquela noite de chuva. – Elza bateu com força a pequena pá de jardim na terra seca, tentando cavar um buraco, pequeno que fosse. – Lembra? Sapatos pretos, uma das mãos … Continuar lendo

Publicado em Crônica | Deixe um comentário

Gente pobre

Sinto um certo fascínio por estas edições da Editora 34. Na parte superior da capa, todos os livros trazem uma gravura em preto e branco. Na parte inferior, a direção de arte simples, composta por uma tipologia delicada, deixa quase … Continuar lendo

Publicado em Crítica | Marcado com | Deixe um comentário

Velhos discos de vinil

Ângela levou o copo de vinho aos lábios sem tirar os olhos dos meus. Três horas depois, o corpo dela repousava no meu. Naquela tarde, uma chuva serena esfriara de vez o tempo em Maringá. A neblina encobrira a serra, … Continuar lendo

Publicado em Crônica | Deixe um comentário