Arquivo do mês: novembro 2018

Voo noturno

O avião passou em frente a parede de vidro do bar do hotel, em direção a pista de pouso. Era o terceiro avião que Fábio seguia com o olhar, as luzes indicando a aproximação desses fascinantes voos noturnos. Agradeceu ao … Continuar lendo

Publicado em Crônica | Deixe um comentário

O gênio incompreendido por Hollywood

Orson Welles foi um dos pilares da minha dissertação de mestrado, defendida em 2003 na Escola de Belas Artes da UFMG. Dediquei um capítulo do texto à revolução narrativa de Cidadão Kane (1941), no qual o diretor faz um jogo … Continuar lendo

Publicado em Crítica | Marcado com | Deixe um comentário

A rebeldia do cinema novo

A Grande Feira (Brasil, 1961) é o segundo longa-metragem de Roberto Pires, após Redenção (1959), considerado o primeiro longa-metragem produzido na Bahia. O filme reúne alguns expoentes do cinema novo ligados ao ciclo baiano, entre eles um jovem Glauber Rocha, … Continuar lendo

Publicado em Crítica | Marcado com , | Deixe um comentário

A partilha

Os livros estavam espalhados no chão da sala. O sol anunciava uma clara manhã de domingo, a primavera despejando seus cheiros naquela casa banhada de flores. As flores de minha mãe. Eu perdera no par ou ímpar e a irmã … Continuar lendo

Publicado em Crônica | Deixe um comentário

Os espelhos de Rita Hayworth

A dama de Shanghai (1948) abre com voz em off do marinheiro Michael (Orson Welles) narrando seu primeiro encontro com a bela e sedutora Elsa Bannister (Rita Hayworth), durante um passeio noturno no Central Park. São os indícios da experimentação de Orson … Continuar lendo

Publicado em Crítica | Marcado com | Deixe um comentário

A língua afiada de Cabrera Infante

O cubano Guillermo Cabrera Infante, além de escritor e roteirista, foi importante crítico de cinema. Sua infância, nas palavras do próprio autor, foi marcado por uma escolha. “Na minha cidadezinha, quando éramos crianças, minha mãe perguntava a mim e a … Continuar lendo

Publicado em Crítica | Marcado com | Deixe um comentário

Algum lugar do passado

Venha ver a vista do final de tarde. Os carros cruzam as ruas, alguns com faróis acesos, outros insistem na última luz do dia. Um bando de pássaros voa em sincronia logo abaixo da janela. Lembro-me de nossa vista do … Continuar lendo

Publicado em Crônica | Deixe um comentário